pintura
.
Prémios:

* Troféu Bronze -Art Shpopping Carrousel du Louvre, AAAGP - 2017, Paris, França

* Medalha "Menção Honrosa de Ouro" - "Prémio Mário Silva", Maio, 2016 - Figueira da Foz

* Creativity Prize - "5th International Exhibition of Small Format 20x20 cm", Outubro, 2015 - Figueira da Foz

* Prémio "Obra Prima" Exposição - Europa Brasil, uma só arte - Sociedade de Medicina e Cirurgia, Juiz de Fora,2014, Brasil

* Medalha de Bronze "State of the Art - Estoril Art Exhibition 2014”, Lisboa

* Menção Honrosa, 2014 "IX Bienal Salão das Artes" - Vidigueira - Portugal

* Menção Honrosa de Bronze, 2014 "Prémio Mário Silva" - Figueira da Foz - Portugal

* Menção Honrosa, 2013 "Galeria Aberta" - Beja - Portugal

* Medalha de Mérito Cultural (9º lugar na Bienal do Mediterrâneo do InBrasCI-MG - Exposição Internacional de Arte Contemporânea e Literatura em Portugal), 2013, Lisboa - Portugal

* Menção Honrosa, 2012 "Prémio Mário Silva" - Figueira da Foz - Portugal

* 2º Prémio, 2009 "Pintar Ponte de Sor" - Ponte de Sor - Portugal

* Médaille d'Argent Internationale, 2008 - Gembloux - Belgique

* Menção Honrosa, 2007 – III Bienal de Pintura de pequeno formato – Prémio Joaquim Afonso Madeira

* Médaille d'Or Nationale, 36e Salon Concours Internationale 2006 - Gembloux - Belgique

* Médaille d’Or Nationale 2006 AEA – Paris – France

* Médaille d’Or Nationale 2005 AEA – Paris – France

* Médaille d'Argent International, 35e Salon Concours International 2005 - Gembloux - Belgique

* Médaille d'Or International, Paris 2004 - França (Medalha)

* Médaille d'Argent International 34e Salon Concours Internationale 2004–Gembloux – Belgique

* Sibermedaille - Internationalen Ausstellung der A.E.A. (Vöcklabruck), Österreich

* Medalha de Prata - 8º Concurso International de Prestigio – 2003 - Madrid

* Médaille d'Or National - 33e Salon Concours Internationale 2003 –Gembloux – Belgique

* Médaille d'Or National Française - Exposition Internationale 2003 –Paris – France

* Prémio de Pintura - Concurso "I Prémio Columbina" - Internet (Quadro)

Identidade e perspectivas

A Identidade é relacional, marcada pela diferença. A diferença é sustentada pela exclusão. A construção da identidade é tanto social quanto simbólica. Uma das formas de a identidade estabelecer suas reivindicações é por meio do apelo a antecedentes históricos. Na sociedade actual, o indivíduo é fragmentado, tendo ou "fazendo" parte de várias identidades. Num mundo tão complexo, onde informações de massa são jogadas todos os dias em cima das pessoas; onde migrações físicas, psicológicas e comportamentais acontecem a cada segundo; com a globalização mais acelerada do que nunca, é, e não poderia ser diferente, de o indivíduo não ter apenas uma identidade e sim se familiarizar, se identificar com várias. A identidade não é estável e unificada, ela é mutável e às vezes até mesmo provisória. Esta perda de um "sentido de si" estável é chamada, algumas vezes, de deslocamento ou descentração do sujeito. Esse duplo deslocamento/descentração dos indivíduos tanto de seu lugar no mundo social e cultural quanto de si mesmos, constitui uma "crise de identidade" para o indivíduo. Na modernidade, a explicação plausível para essa "diversificação" de identidades pode ser encontrada no facto denominado globalização. A globalização é a diminuição do espaço pelo tempo, com ela as informações, as culturas, os modos de vida, e diversas ideias de diferentes grupos são transitados por vários lugares, não importando o espaço e a distância, através dos meios de comunicação. Os meios de comunicação, com o avanço da tecnologia, estão cada vez mais aprimorados, facilitando a vida de "algumas" pessoas; como a televisão, jornais, rádios e é claro a Internet. Vale a pena lembrar que eles facilitam a vida de "algumas pessoas" pelo fato de nem todos terem o contacto e recursos para obtê-los. A cultura molda a identidade ao dar sentido à experiência e ao tornar possível optar, entre as várias identidades possíveis, por um modo específico de subjectividade. A globalização envolve uma interacção entre factores económicos e culturais, causando mudanças nos padrões de produção e consumo, as quais, por sua vez, produzem identidades novas e globalizadas. A migração produz identidades plurais, mas também identidades contestadas.

(...)

Isso é contraditório, pois no mundo de hoje, com avanços científicos e tecnológicos cada vez mais notáveis, o próprio ser não sabe mais a que grupo pertence...não sabe e não encontra mais o seu "eu".

-Ientidade e Perspectivas